GOVERNOS

Bolsonaro diz que brasileiro não aguenta mais aumento de impostos.
Presidente destacou que acertou "lá atrás" com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a não elevação da carga tributária.




Jair Bolsonaro

O Presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (23) que o país não aguenta mais um eventual aumento da carga tributária, em meio a aprovação, pela Câmara dos Deputados, da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que eleva de 10% para 23% o repasse da União para custear o Fundeb, fundo de financiamento da educação básica no país.

O presidente afirmou que "toparia passar para 40% ou 80%", caso tivesse receita orçamentária para isso. "Se passa 40%, teríamos que criar duas CPMFs", avaliou.


Em transmissão por meio das redes sociais, Bolsonaro disse que o percentual aprovado do Fundeb "ficou de bom tamanho" e destacou que acertou "lá atrás" com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a não elevação da carga tributária do país.

"A gente espera que a economia pegue, porque senão o brasileiro não tem como aguentar mais carga tributária, impossível, isso aí está acertado com Paulo Guedes lá atrás não ter aumento da carga tributária", afirmou.

O presidente disse que é preciso saber de onde vai sair recursos para pagar essa elevação das despesas decorrente do aumento da fatia da União para bancar o Fundeb e instou o Congresso a ajudar nessa tarefa. O fundo é uma das principais fontes de financiamento da educação pública de Estados e municípios.

Bolsonaro disse que o Fundeb é mais uma despesa obrigatória e que é preciso solucionar esse problema sério a partir das reformas. Ele citou a reforma tributária e repetiu que o Brasil é um dos piores países para investir. Nesta semana, o governo apresentou ao Congresso parte de sua proposta para essa reforma.

Na transmissão, o presidente voltou a elogiar Guedes, dizendo que ele é o seu "Posto Ipiranga" e que pouquíssima coisa discorda dele.

Copyright © Thomson Reuters.

 




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM






GOVERNOS  |  07/08/2020 - 11h